Webdomadario
archives

Mais Ricardo Dias no Internet Azul.


17.8.05

 
Essa, nem o Collor. Manifestação em Brasília com o que há de melhor no peleguismo. Várias entidades - todas devidamente aquinhoadas com verbas federais - foram lá dar seu apoio ao nosso empregado, o ex-presidente Lulla. Algumas pessoas se declararam chocadas com a atitude da UNE; este cronista confessa que não. É só lembrar do impeachment de Collor e ver onde estão as lideranças estudantis da época: a que mais se sobressaiu de lá p'ra cá foi Lindbergh...
Estudante sempre foi massa de manobra fácil dos pecês da vida, era só dizer: vamos protestar, que eles estavam lá. Vamos quebrar, eles quebravam; vamos pichar, eles pichavam. Inocentes úteis, sim, mas com uma certa pureza, uma coisa boa, uma inquietação que levava à luta, eventualmente sem nem saber o porquê. Até isso o PT corrompeu. Primeiro eles tentaram calar a imprensa com aquela ridícula lei. Em seguida, esdrúxulos critérios de incentivo ao audiovisual, depois a Lei da Mordaça no Judiciário, compra de deputados, e, pelo que vemos agora, compra até dos estudantes - o MST já havia sido comprado tempos antes, não conta. Toda uma estrutura de permanência no poder, mas evidentemente Lulla de nada sabia. É apenas um títere, um pobre coitado, um carismático mantido satisfeitinho com seus charutos cubanos, scotchs, aviõezinhos, e retirado da cristaleira para as grandes ocasiões, prometendo um futuro melhor, que viria sabe Deus como. E toneladas de dinheiro em assistencialismo de quinta categoria, e nada para resolver os problemas tantos. Há dinheiro para esmolas, mas não para um salário digno. Há para o FMI, há espaço para os bancos terem os maiores lucros da história, mas se baixarmos a taxa de juros e incentivarmos a produção haverá o caos. Já imaginaram? Poderá haver produção neste país e as pessoas perceberem que a única coisa que gera dinheiro de verdade é isto: produção. Papel gera papel, este modelo que aí está gera apenas papel e mais papel, lastreado na desgraça de muitos, todo ele em poucos bolsos.
O que estes imbecis não perceberam é que, ao tentar se perpetuar no poder, levaram desesperança a milhões. Numa nação como a nossa, em que um voto vale um par de sapatos - valia, hoje vale um prato de comida ou menos - isso é a munição que a direita mais deseja, ela quer que o povo pense que isto que aí está é a esquerda. Não é não, povo, não é não. Isso é o que há de pior na raça humana, é a desonestidade e a burrice em embalagem para viagem, a combinação mais perigosa que há. É preciso acreditar que existe espaço para um mundo melhor, existe espaço para a esperança. Não com este PT, não com Lulla, e certamente não com Sarney, não com Bolsonaro, não com FHC, não com Delfim Netto, não com Roberto Jefferson.
Com quem? Não sei. Mas já sabemos com quem não será, e isso é um grande passo.
Encontrei Nelson Rodrigues na vídeo locadora. Comentei a sua dele frase: "as coisas não vão mudar enquanto a esquerda não se unir até o último idiota", perguntando onde isso se aplica ao quadro atual, como as manifestações em Brasília. Ele olhou-me com olhos rútilos, e do canto de sua boca saía uma fina baba, bovina e elástica, provavelmente veneno:
-Prefiro outra frase, meu filho: Dinheiro compra tudo, compra até amor sincero.

Se você quiser ser informado de updates neste site, mande um e-mail para webdomadario2 seguido da habitual arroba seguido de pobox seguido de .com. Seu endereço não será divulgado nem sequer visto pelos outros assinantes.
posted by Ricardo Dias 17.8.05


15.8.05

 
Hoje assisti ao Fantástico com um pouquinho mais de atenção. Algumas coisas me impressionaram, se fosse um pouquinho mais velho diria "sobremaneira". Como não o sou, retorno ao vernáculo compatível com minha tenra idade. Pois dizia que assisti ao hebdomadário televisivo, e me espantei. MUITO! Primeiro, com a excepcional matéria assinada por Regina Casé, com crianças de diversas classes sociais comentando sobre as coisas que temem. As de classe média temem as do morro; as do morro, a polícia. Bicho papão passou a ser sonho de consumo, lembrança de uma época em que medo tinha que ser inventado. O estado daquelas crianças me fez pensar na escumalha que nos governa, única responsável pelo que está aí. Desde sempre nossas elites são o que temos de pior, e, curiosamente, quem sai do seio dos sans culotte acaba virando um sans honte maior que os tradicionais.
Falando nisso, o blog do Noblat (www.noblat.com.br) nos brinda com uma entrevista de Millôr ao Estadão (ou será à Folha?). Ler Millôr é sempre educativo, o homem sabe o que diz. Se um dia nos incitar a comer cocô, não terei dúvidas: não comerei, mas aconselharei todos os meus amigos a fazê-lo (e sou feliz: tenho um autógrafo dele!)! Pois nos diz que também passou fome, como nosso presidente, e perdeu os pais muito jovem, mas tão logo pôde foi estudar - pagando do próprio bolso. E nosso empregado, o ex-presidente Lula, passou os últimos 10 anos sem fazer rigorosamente nada, podia ter se preparado um pouquinho. Afinal, se lesse, não precisaria confiar nas informações dos amigos. "Quem não lê, mal ouve, mal fala e mal vê", já dizia o anúncio de uma editora no centro do Rio. E ele, decididamente, não lê. Lesse antes, talvez não ouvisse o que anda ouvindo hoje.
Ainda no Fantástico, ainda sobre governos, acabo de descobrir que o intelectualíssimo José Sarney - que escreve, mas duvido que leia - declarou semana passada que o governo militar pretendia fazer uma bomba atômica. Uma pergunta respeitosa: o que diabos José Ribamar tem na cabeça? Depois do que Bush andou falando, ele tem a pachorra de dizer essa imbecilidade em rede nacional? Onde estão os fiscais do Sarney que não fiscalizam o que sai dessa boquinha santa? Quando a sua dele filha foi pega com uma grana suspeita no comitê de campanha, ficou calado, podia continuar assim. Sem contar que não havia nem há tecnologia para isso, urânio enriquecido aqui só se abrir uma offshore. Mas vá explicar isso para os Marines quando eles chegarem...
Fui ao enterro do grande Francisco Milani e lá encontrei Carlos Frederico Werneck de Lacerda. Achei estranho vê-lo no enterro de um comunista, ao que me lembrou que ele mesmo, na juventude, havia pertencido ao Partidão. Mas crescera, e tinha tomado outros rumos. E Milani?
-O Milani era um gênio, não cresceu nunca. Pena que uns e outros não seguiram seu exemplo e cresceram...


Se você quiser ser informado de updates neste site, mande um e-mail para webdomadario2 seguido da habitual arroba seguido de pobox seguido de .com. Seu endereço não será divulgado nem sequer visto pelos outros assinantes.
posted by Ricardo Dias 15.8.05


12.8.05

 
Uma vez, ouvi uma entrevista de um Publicitário Premiado. O Publicitário Premiado dizia que, se fosse fazer uma campanha de soutien, não exploraria a sensualidade: optaria pelo conforto, demonstraria o quanto o soutien em questão era confortável. Pois muito que bem, trata-se de uma opção mercadológica totalmente válida. Mas o que escapou ao entrevistador e escapa à maior parte das pessoas é que o Publicitário Premiado iria vender uma característica de um produto que ele sequer conhecia; ia dizer, e ser pago para isso, que o produto XPTO tinha uma qualidade que ele estava apenas e tão somente inventando. E ninguém se espanta, aos publicitários cabe mentir, bem como aos advogados e aos políticos. Parece que eles não têm se esforçado muito para mudar isso, e INCLUO o Duda Mendonça. Falou muito mas não falou tudo. E pela indignação do careca sinistro, tem coisa. Os corruptos também têm brios, ora bolas.
Falando em mentir, nosso empregado, o ex-presidente Lula, amanhã falará à nação. Há apostas sobre se ele falará a verdade ou se vai citar a sua dele mãezinha. Espera-se choro. De nossa parte, choro e ranger de dentes. E para piorar, o blog do Noblat nos conta que Costa Netto afirma que custou 10 milhões o apoio do PL ao PT na eleição passada. Foi baratinho, para uma vice-presidência até que saiu em conta. O duro é que isso pode custar o cargo ao presidente, e por via de conseqüência, idem para o vice. E, como já andei dizendo por aqui, o seguinte é o Severino. E, após ele, Calheiros. E, após qualquer um destes, cicuta.
Mas se for para apostar, acho que a coisa vai feder mais. Estão faltando alguns ingredientes obrigatórios em casos assim. Cherchez la femme, já diziam os franceses. Procure a quem o crime interessa, diziam os ingleses quando falavam português. Tem caroço neste angu, dizemos nós.
Fui comer um hamburger e encontrei Agatha Christie Mallowan devorando um milk-shake. Incomodada por ter sido reconhecida, tentou se esquivar às minhas perguntas, mas acabou respondendo:
-Ora, meu caro, isso não daria nem uma história de quinta categoria; já se sabe quem é o bandido desde o primeiro capítulo!


Se você quiser ser informado de updates neste site, mande um e-mail para webdomadario2 seguido da habitual arroba seguido de pobox seguido de .com. Seu endereço não será divulgado nem sequer visto pelos outros assinantes.
posted by Ricardo Dias 12.8.05


4.8.05

 
Tenho uma sugestão para aumentar a velocidade dos trabalhos nas diversas CPIs. Como todos os deputados e senadores começam suas perorações da mesma forma – a saber:
-Senhor presidente, senhor relator, nobres senadores e senadoras, nobres deputados e deputadas, senhor depoente; queria começar minha participação elogiando o trabalho do nobre presidente e do nobre relator, que vêm pautando suas atuações pelo equilíbrio e isenção, contribuindo enormemente para o bom desempenhod esta comissão.

Ora, só nisso são uns 2 minutos. Se for o senador Suplicy, são 4. Este trecho seria então substituído por, digamos, a letra "A". O inquiridor ligaria o microfone e diria:
-A.
Pronto, em 1 segundo está tudo dito. A tv poderia colocar todo o texto em questão ao pé da tela.
A segunda parte do discurso igualmente é comum a todos:
-Não estou aqui para auto-promoção, como alguns colegas que insistem em correr de cpi em cpi no afã de publicidade gratuita. Sou dos que entende que um momento como este é de profunda reflexão, e não cabem motivações pessoais. Estou, sim, pasmo diante do mar de lama que se apresenta diante da nação, estarrecida como estarrecido estou. Jamais ouvi falar de mensalão nesta casa, eu que sou deputado há 72 legislaturas. Minha campanha mesmo foi barata, custou apenas 200 reais e 2 mariolas para o rapaz que segurou a faixa com meu nome!
Apesar do nobre relator ter feito, com a habitual competência, todas as perguntas que desejava ter feito, e querendo colaborar com vossas excelências que já estão aqui há cerca de 34 horas, não posso deixar de refazer algumas destas perguntas, pois as respostas em absoluto não me satisfizeram. Sendo objetivo, senhor presidente, nobre relator, vou então refazer as questões que não encontraram, dentro de mim, a reverberação que apenas a audição da verdade dá. Senhor depoente, qual é o seu nome completo?

Esse texto demora seguramente uns 5 minutos para ser dito, um pouco mais quando o inquiridor coça a cabeça, pede silêncio ao deputado que estava conversando com ele no momento anterior e que agora conversa com o deputado que falava então, coisas assim. Então, a sugestão: troca-se tudo por "B". Notem a melhora:
-Com a palavra, o nobre deputado Antão da Silva!
-A. B.
Viram? Dois segundos, e fica tudo entendido. E ainda tem mais…

Deputado governista:
-As forças reacionárias, conservadoras, de direita, querem macular um governo progressista, que pensa no excluído, no descamisado…

Deputado da oposição:
-O PT, que sempre se arvorou de fiscal da moralidade, demonstra que ˜ão é composto de vestais! Caem as máscaras, a nação…

Novamente, "C" para a situação, "D" para a oposição. Como as perguntas são invariavelmente as mesmas, melhor ainda. Lista-se as mesmas também por letras. Como as respostas são sempre as mesmas, também, são lincadas por números. Um exemplo:
-Com a palavra a nobre senadora Aprazível Tertúlia!
-A.B.D.H?
-H1
-F?K?
-F1.K2.
-K2?
-K2!
Um outro deputado grita:
-X! X! ("X" significa "pela ordem")
O presidente:
-Z (= "concluindo, senadora…")
-Y… (= "já estou concluindo, senhor presidente")
-ZZZZZZ…

Levei esta questão ao artista Andy Warhol, que estava tomando um cafezinho na esquina de minha rua. Ele achou a idéia boa, mas ponderou:
-O diabo é que os políticos não vão aceitar. Afinal, com a CPI os 15 minutos de fama deles se transformam em horas e horas e horas…

Se você quiser ser informado de updates neste site, mande um e-mail para webdomadario2 seguido da habitual arroba seguido de pobox seguido de .com. Seu endereço não será divulgado nem sequer visto pelos outros assinantes.
posted by Ricardo Dias 4.8.05

 
Metáforas e historinhas...
-Presidente, o senhor está com câncer.
-E ...?
-Melhor extirpar.
-TODO MUNDO TEM CNCER! É uma doença muito comum!
-Mas...
-Deixa ele aí.

Outra:
O rei queria uma roupa nova, nunca estava satisfeito, até que um espertinho, etc, etc.
-O rei está nu!
O garoto que deu o grito se viu sozinho; foi todo mundo procurar a cueca.

Mais uma:
Beto e Dirceuzinho jogavam no mesmo time. Um dia se estranharam.
-Bobo!
-É você!
-Não sou nada, bobo é você!
-Sou bobo mas sou feliz, mais bobo ainda é quem me diz!
-Vou contar p’ra minha mãe!
-Ela sabe que você é bobo!
-Claro que sabe, mas negará para todo o sempre!
Enquanto isso, o time leva diversos gols, perde a partida e o campeonato, e a mãe de Dirceuzinho continua negando que o filho é bobo, apesar de saber muito bem que ele o é.

Se alguém ainda agüenta, mais uma:
-Companheiro Duda, como eu devo proceder?
-Negue, presidente; a única coisa que não tem explicação é batom na cueca!
-Não é melhor parar de ter medo e falar a verdade?
-Presidente, esta palavra não consta no meu dicionário!
-Qual? Medo?
-Não. Verdade.

As coisas decididamente não vão bem. Muita gente comentou a segurança que José Dirceu demonstrou no seu dele depoimento à CPI, espantada; ora, o cidadão passou anos fingindo ser quem não era, enganou a pessoa que dormia com ele, vai pestanejar diante de coleguinhas cujo QI – com raríssimas exceções - não é a característica mais empolgante? E o magro Jefferson mandou mais uma: agora, pela primeira vez, colocou nosso empregado, o ex-presidente Lula, no rolo. Ficou parecendo que tinha mais cartas na manga. E o leal Dirceu não deixou por menos: avisou que "tudo que ele sabe, Lula também sabe". Mulheres e crianças primeiro.
Mas Lula segue fazendo discursos inflamados, levando a platéia ao delírio. Há bolões a cada discurso para saber se ele vai primeiro falar da mãe analfabeta ou da tentativa da direita de lhe desestabilizar. Mas há também pânico: caso "a direita" consiga apeá-lo do poder, o vice é do PL – e o terceiro na linha de sucessão é o Severino, valha-nos Deus! Melhor mantê-lo ali, ele não está fazendo nada, mesmo...
Fui procurar um vídeo na locadora e encontrei o Professor Mello e Souza, mais conhecido como Malba Tahan. Abracei-o, agradecendo o gosto que ele havia me proprorcionado pela matemática. Balançou a cabeça, e pediu desculpas:
-A gente se esforça para fazer as crianças gostarem da coisa, mostra a beleza da matéria, aí vem esses rapazes e mostram que dois e dois dá 5, 8, 2 bilhões, o que eles quiserem que seja. E há quem acredite!

Se você quiser ser informado de updates neste site, mande um e-mail para webdomadario2 seguido da habitual arroba seguida de pobox.com. Seu e-mail não será divulgado de forma alguma, nem visto pelos demais assinantes.
posted by Ricardo Dias 4.8.05


This page is powered by Blogger. Isn't yours?